Resenha #4: Dinossauros! [Vários autores]

Ano: 1993
Páginas: 208
Editora: Aleph
SINOPSE: 14 Contos de ficção científica sobre dinossauros editados por J. Dann e G. Dozois. Contos de Arthur C. Clarke, L. Sprague de Camp, Brian W. Aldiss, Jack Dann, Gardner Dozois, Tim Sullivan e outros.


Quando vejo muita gente condenando a pirataria (e com pontos que concordo), dou uma olhada para a lista de livros que não possuem edição ou cujas edições não se encontram com facilidade. E Dinossauros! é um desses livros que só consegui ler porque encontrei uma cópia num site para baixar, pois não existe uma edição recente da obra.

E espero que continue não tendo.

Um dos sentimentos quando acabei o livro pode ser resumiado em poucas palavras: ACABEI A MERDA DO LIVRO! Pois eu nunca tinha visto tantos contos ruins juntos em toda a minha vida; acho que só Tripulação de Esqueletos, do King, empata, se bem que leva alguma vantagem por conter O Nevoeiro, que acho uma história perfeita demais.

E eu até consigo gostar ou tolerar as versões mais toscas de dinossauros, como aquele filme em que humanos e dinossauros vivem juntos e são até policiais. Mas não tem como perdoar escritores com um vasto currículo quando esses são incompetentes ao extremo em a) apresentar histórias com dinossauros e b) ainda por cima possuírem uma escrita tão medíocre; teve conto que parecia um rascunho de tão ruim ou confuso.

Em vários, apenas uma forçada para que o nome "dinossauros" aparecesse já bastou para aparecerem na coletânea; ou nem isso. Vi ideias ótimas resultarem em contos risíveis de tão ruins. Lamentável, afinal são profissionais renomados, e não amadores iguais a mim. Uma safra tão ruim assim me faz acreditar que qualquer escritor mediano pode fazer sucesso, inclusive os daqui do Brasil.

NOTA: 2,35

Eis abaixo os contos na ordem e as notas individuais (de 0 a 5, que é para fazer caridade):

Arma para Dinossauros [L Sprague de Camp]
Típica aventura que, retirando alguns elementos, seria semelhante aos modelos de mundos perdidos, que são muito bons. Com começo, meio e fim bem definidos, desenrola-se como uma conversa casual.
Nota: 4

Pobre Pequeno Guerreiro [Brian W. Aldiss]
Narrado em segunda pessoa, algo que não vejo desde o último livro-jogo que li, soa meio estranho no começo, mas entrega mais uma história de horror do que de FC ou fantasia.
Nota: 3

Irmão Verde [Howard Waldrop]
A mais fraca e confusa até o momento, vale mais por ser a narrativa de um velho xamã indígena. O final se mostrou extremamente forçado.
Nota: 1,5

Estação de Incubação [Harry Turtiedove]
A que mais me agradou, superando o primeiro conto. Divertido, empolgante, didático sem ser pedante. Daria um livro fácil.
Nota: 4,5

Pulando Fora [Steven Utiey]
Outro exemplo de conto fraco, embora com uma mitologia interessante, que deveria ter sido mais aproveitada. Termina de maneira brusca, sem mostrar para que veio.
Nota: 2

Os Corredores [Bob Buckley]
A prova de que boas ideias funcionam com escritores comprometidos. O que não foi o caso. Lamentável.
Nota: 1,5

O Último Cavalo-Trovão a Oeste do Mississipi [Sharon N. Farber]
Humor pastelão western. Até o momento, o pior conto da antologia. Sem graça e caricato demais.
Nota: 0,5

Estratos [Edward Bryant]
Algo que o King escreveria e estragaria o final, só que menos enrolado. Difícil entender a intenção do autor.
Nota: 1

Seta do Tempo [Arthur C. Clarke]
Começa assim, vai ali e termina meio óbvio. Decepcionante.
Nota: 1

Mudança de Tempo [Jack Dann e Gardner Dozois]
Surreal, divertido e curto. Parece uma anedota.
Nota: 3

Os Falsáurios [James Tiptree Jr.]
Este o humor funcionou. E a história chega a ser divertida. Nada demais, mas cumpre o que pretende.
Nota: 3

Dinossauro [Steve Rasnic Tem]
Esqueça o título. Fora isso, pode vir a ser um bom conto de horror. E só.
Nota: 2,5

DINOSSAUROS [Geoffrey A. Landis]
Tem uma ideia interessante, mas ficou devendo em alguns pontos.
Nota: 2,5

Dinossauro de Bicicleta [Tim Sullivan]
Surreal. Se você aceitar essa natureza da história, vai se divertir.
Nota: 3