Esboços & Devaneios #6

Indigenous Elf by Ana Carolina de Macedo ( Sora )
O ano era 2013. Uma amiga e eu tínhamos em mente duas histórias envolvendo mitologias e folclores bem específicos. Na primeira, havia uma fantasia mais leve inspirada em elementos célticos; e na outra, uma fantasia que ganharia contornos sombrios e pegaria elementos da cultura indígena brasileira, em especial palavras em tupi-guarani, contudo com criaturas e lugares praticamente originais.

Os anos se passaram e, infelizmente, nenhum dos dois projetos avançou muito, embora ambos possuíssem os protagonistas e as tremas bem definidas. Este ano resgatei os projetos e, numa divisão acordada, cada um dos coautores assumiu a inteira responsabilidade por um deles, podendo fazer as mudanças que quisessem. Nisso, acabei com As Terras de Edgar.

Na trama, uma criança de 12 anos, cuja imaginação é extremamente criativa, começa a perder rapidamente a noção do real e do fantástico quando estranhas criaturas, quase todas envolvidas numa guerra mágica, interferem em seu cotidiano e parecem interessadas nele. Paralelo a isso, o menino vê a vida mudar quando o pai anuncia um novo casamento, após tantos anos supostamente viúvo, pois a esposa (e mãe de Edgar) simplesmente enlouqueceu e desapareceu.

Contar mais do que isso é dar muitos, mas muitos spoilers.

A antiga versão do texto tinha mais de 7,7 mil palavras, as quais foram inteiramente reescritas e, a partir de um planejamento da coautora, Julia Magalhães, o texto atual seguirá os rumos que quero dar.

Por ora, o que posso dizer sobre o romance é:
  • A trama se passa na década de 1940, inicialmente numa cidade entre Bahia e Minas Gerais.
  • Com exceção dos humanos, todos os personagens que interagem com Edgar possuem nomes em tupi-guarani.
  • É uma fantasia sombria parcialmente rural, com algumas passagens pela urbana e com tendências à épica.
  • Há ligações com, no mínimo, 4 séries minhas já existentes.
  • Na antiga versão, a trama seria toda com o protagonista tendo 12 anos, mas na atual se encerrará com ele tendo quase 16.
  • Provavelmente terá aparições de criaturas de nosso folclore, mas, por ora, com mais de 17 mil palavras, todas as criaturas são originais.