Resenha #11: Midore me no Samurai [Verônica S. Freitas]

Ano: 2017
Páginas: 74
Editora: Independente
SINOPSE: Mayumi Suguiyama levava uma vida de escravidão com os tios. Sem qualquer expectativa de vida além daquela, um dia encontra uma espada de madeira. Lembrando-se do que aprendeu com o pai, treina sempre que possível com a espada. E, num momento em que resolve lutar contra uma injustiça, quando quase foi morta por um policial opressor, seu destino cruza o de Yori Takehiko, um samurai habilidoso e com estranhos olhos verdes.

Resgatada da morte por ele e a ordem que lidera, Mayumi precisará enfrentar velhos demônios, escapar de planos sinistros contra sua vida, aprender a confiar em Yori e, acima de tudo, descobrir quais emoções e sentimentos unem-na ao misterioso samurai, que foi discípulo de seu pai.

Midori me no Samurai é uma história sobre legado, honra, amor e esperança, escrita, em 2011, por Verônica S. Freitas, que se inspirou em obras japonesas de diversas mídias, entre elas o mangá e anime Samurai X e os videogames The King of Fighters e Samurai Shodown, além de sua paixão pela cultura oriental no geral.

The samurai girl by Gengar1991
Este livro foi editado por mim como presente de aniversário para a autora, a quem devo muito de meu aprendizado na escrita. Era uma novela inicialmente publicada em seu blog. Fiz a revisão e a edição do e-book com a ajuda de um amigo, além da impressão de 10 exemplares. Até o presente momento desta resenha, a obra não se encontra à venda.

Verônica sempre soube me cativar com sua escrita, seja em contos de fantasia (o primeiro que li girava em torno da lenda das amazonas), de terror (ainda me recordo do pesadelo vivido por uma garota ao recusar um pretendente ou do desespero de um jovem ao entrar em contato com a mula-sem-cabeça) ou de fundo mais romântico (e aqui Midore me no Samurai se encaixa, embora possua elementos de ficção histórica e aventura).

A novela pode ser dividida em três momentos: o breve treinamento solitário da protagonista, Mayumi, até seu encontro com Yori, o samurai de olhos verdes que dá nome à história; a convivência dos dois, assim como a traição sofrida pelo samurai, que busca derrubar o poder vigente; e a vingança de Mayumi, com a ajuda do guerreiro.

Trata-se de um conto quase japonês, com referências históricas e culturais bem inseridas, personagens que transitam entre a lealdade e a ambição capaz de qualquer coisa, um amor que pode ou firmar um plano de vingança ou pôr tudo a perder.

Embora não seja uma história voltada à aventura, e sim ao amor, Midore me no Samurai peca um pouco no segundo ato, quando os sentimentos de seus protagonistas tomam algumas páginas e nos fazem revirar um pouco os olhos, mas tudo é compensado no ato seguinte, quando Mayumi deixa de ser tão boba e volta a brilhar como a jovem rebelde que abre o livro.

Torço para que um dia mais leitores possam conhecer a novela e se encantar tanto pela trama deliciosa quanto pela escrita apaixonada da autora.

NOTA: 8,6