Gêneros Literários #28: Dreampunk

Adentrando mais uma vez a variedade de gêneros e subgêneros que usam e abusam do sufixo punk, quero apresentar um que me chamou muita a atenção por abordar um assunto que adoro bastante: sonhos.

Galloping through dream by DaisanART
Em Dreampunk, site que apresentou pela primeira vez o termo, encontra-se o seguinte: "Em alguns aspectos, usamos a palavra dreampunk como uma forma de mostrar como todos esses vários punk giram em torno dos sonhos. Por exemplo, steampunk realmente escrito na era vitoriana, como as obras de Jules Verne, eram sobre os sonhos do passado sobre o que o futuro poderia ser — um futuro que nunca aconteceu. Steampunk escrito hoje, que é definido na era vitoriana, é um sonho atual de um passado que nunca foi, mas poderia ter sido. O cyberpunk de hoje é um sonho atual do que nosso futuro pode ser. E você pode ver como todos os diferentes subgêneros punk podem ser aplicados. Todos eles têm pelo menos algum aspecto de projetar uma visão surrealista sobre a história do nosso passado ou especular sobre uma visão surreal de uma versão potencial do nosso futuro.

"Isso faz um conceito muito amplo, e enquanto certamente planejamos ceder a todos os nossos punks favoritos, também temos uma definição mais específica para dreampunk: é um subgênero literário descendente de steampunk e cyberpunk", mas "difere deles em sua inclusão de elementos da lógica do sonho. Na melhor das hipóteses, o sonho é surreal, nervoso, bonito e terrível de uma só vez. Significados ocultos, simbolismo e a prevalência da lógica dos sonhos ou dos contos de fadas são comuns. Vários exemplos incluem Twin Peaks, Carnivale, Gormenghast, Velvet Goldmine, Mulholland Drive, The Adventures of Baron Munchausen, Brazil, Company of Wolves, e, claro, Alice in Wonderland.

"Alice no País das Maravilhas foi realmente o ponto de partida para nós. Muitas pessoas argumentam que é um trabalho de steampunk. Existe um excelente artigo sobre o assunto [em inglês]. Mas embora certamente contenha elementos do gênero, em sua fantasia bizarra/satírica de exploração dos valores vitorianos, em seu estilo, e, para citar esse artigo, em sua “fascinação vitoriana com o funcionamento interno da mente humana”, o termo steampunk não parece se encaixar, por razões que incluem o fato de que ele está inteiramente dentro da mente de uma garotinha e não se preocupa com a tecnologia. Substitua as duas primeiras letras, no entanto, para formar a palavra dreampunk e, de repente, tudo se cristalizou. Há algo na palavra à qual nos conectamos em nível primordial, e cada pessoa a quem nós a apresentamos desde então parece dizer 'Ah, sim!' sem ter que explicar isso a eles. Na época, nem tínhamos percebido que outros já haviam usado antes, em contextos ligeiramente diferentes."

Portanto, temos uma definição mais pessoal, a gosto de seus criadores, buscando uma reinterpretação de velhas histórias ou novas, levando em consideração um surrrealismo onírico, aventuras tão fantasiosas que são quase como se fossem sonhos (às vezes literalmente são).

Na Wikipédia, há agumas linhas sobre o gênero, apesar de não ser um consenso (o que não é de espantar, uma vez que diversos punk sofrem de uma escassa bibliografia): "Dreampunk é um gênero nascente do pós-moderno", sendo a "ficção distópica que se concentra na alquímico poder dos sonhos e a exploração das 'contraculturas'".

Para quem for fluente no idioma inglês, pode acompanhar um interessante debate sobre subgêneros punk no Reddit. No fórum, um comentário alega que há uma relação com o gênero Gaslamp Fantasy [em inglês], o qual pretendo apresentar numa próxima postagem.

0 comentários:

Postar um comentário