PseudoCrítica #4: Dont Be Afraid of the Dark (2010)


SINOPSE:
Sally Hurst, uma criança solitária e introvertida, acaba de chegar a Rhode Island para morar com o pai, Alex, e a nova namorada dele, Kim, na mansão do século 19 que eles estão reformando. Enquanto explora a ampla propriedade, a menina descobre um porão oculto, intocado desde o estranho desaparecimento do construtor da mansão um século antes. Quando Sally, inadvertidamente, liberta uma raça antiga e obscura de criaturas que conspiram para dragá-la para as profundezas infinitas da misteriosa casa, ela precisa convencer Alex e Kim que não se trata de uma fantasia – antes que o mal que espreita na escuridão os consuma. Refilmagem de Criaturas da Noite (Don't Be Afraid of the Dark), 1973.

Não Tenha Medo do Escuro
, a indicação desta semana, só está aqui porque tem um pouco de folclore (as criaturas são frequentemente relacionadas com as fadas dos dentes) e tem uma singela relação com Arthur Machen, um dos autores favoritos de Lovecraft. Machen tinha um pé no ocultismo e era fascinado pelo Povo das Fadas, e muitas de suas obras são povoadas por duendes e entidades silvestres e campestres, sempre num tom de fantasia e horror que pode agradar os fãs de ambos os gêneros.

Não que o filme seja ruim. Levando em conta o material original, a película (com parte do roteiro escrito por Del Toro) consegue criar uma história com toques de contos de fadas e horror gótico interessante, porém perde muito de clima uma vez que as criaturas\aparecem cedo demais, reduzindo o suspense. O CGI dos monstrinhos, aliás, está caprichando, assim como as cenas de violência (que são poucas, mas não poupam sangue quando é necessário).

Pequenas, inteligentes, perversas... e famintas fadas dos dentes.
Enfim, não tem muito o que falar.

Assim como as obras de Machen (mencionado com riqueza num determinado momento do filme), sobretudo O grande deus Pã, pode agradar alguns e desagradar outros. Mas eu acredito que vale uma olhada, nem que seja para se maravilhar com as paisagens belíssimas dos jardins e da mansão, além de conferir uma visão mais sombria e menos mágica das fadas.

0 comentários:

Postar um comentário