Quer entender a treta do cyberagreste e por que estamos investindo no sertãopunk?

Bacurau
Acompanhe a sequência de links:





Por que fazer o Nordeste sertãopunk?, por Alan de Sá

Playlist Sertãopunk, organizada por Alan de Sá

Poranduba 54 - Cyberagreste, de Andriolli Costa

Um bicho complicado, por Ian Fraser

vou ter que falar de cyberagreste né, pelo canal Usina de Universos (Gabriele Diniz)

Quem pode imaginar o Nordeste?, de Ricardo Santos

Mundo Punk (17): O que é SERTÃOPUNK?, pelo canal Fantasticursos (Alexander Meireles da Silva)

Os territórios de onde escrevemos, por Sarah Helena

O Sertão Não Virou Mar, de G.G. Diniz

Religiosidade afrobrasileira e a criação de imagem em suas representações, por Alan de Sá​

Sertãopunk: as culturas do Nordeste como força motriz para uma ficção científica brasileira, por Cecília Garcia

Sertãopunk NÃO É fantasismo, por Alec Silva

Morte Matada, de G.G. Diniz

De quem é e para quem é o sertãopunk, por Alec Silva

Sertãopunk: A treta agora é outra, por Alec Silva

Ilustração de Salvador sertãopunk, por Mariana Teixeira

Sertãopunk, Emília Freitas, E Como Apoiar O Trampo Do Coleguinha Marginalizado, pelo canal Usina de Universos (Gabriele Diniz)

E não vamos parar por aí, não. Tem mais coisa chegando, inclusive a criação de uma proposta de gênero especulativo ainda mais abrangente que o sertãopunk.

Aguardem.

0 comentários:

Postar um comentário