Gêneros Literários #20: Fantastique

Seguindo na árdua jornada de listar gêneros literários, quero apresentar um que flertar com o sobrenatural de maneiras peculiares, um gênero europeu em essência, com nome francês, e toques de fantasia e horror em sua execução.

Arte de Christian Lepere
Sobre o fantastique, a Wikipédia espanhola nos diz que "é um gênero literário ou subgênero, sem dúvida, próximo ao de fantasia, e pode ser definido como a intrusão do sobrenatural em um quadro realista, ou seja, aparecimento e desenvolvimento de eventos inexplicáveis, embora, em teoria com alguns, o fantastique seja basicamente presente vacilando entre a aceitação do sobrenatural como tal, e uma tentativa de explicação racional. Então, e, finalmente, o fantastique está situado em um lado entre a maravilhosa e fantasia (onde o sobrenatural é aceito e justificado como quadro imaginário e não realista), e por outro lado, entre o assustador e o aterrorizante (onde um mundo 'normal', mas cruel, governa e aceita ).

"O herói fantastique quase sempre tem uma reação de rejeição, repúdio e/ou o medo, seguindo eventos sobrenaturais ao seu redor. Esta afirmação coloca o fantastique na fronteira entre o estranho e o maravilhoso, embora também tenha sido o objeto de numerosas controvérsias, tais como os realizados por Stanisław Lem.

"O fantastique muitas vezes está ligado a uma atmosfera particular, uma espécie de tensão devido a confrontação com o impossível. E, neste contexto, o medo e a desconfiança estão frequentemente presentes, às vezes no próprio herói, e/ou às vezes na própria vontade do autor ou do relator (que através de vários meios tenta provocar angústia e até pânico no leitor); no entanto, este último não seja condição essencial do gênero fantastique.

"Por extensão, fantastique também define e estabelece um gênero de filme, cujo significado e características são substancialmente os mesmos que aqueles que vêm a apresentar.

"Em francês e em outras línguas, um erro comum é qualificar como fantastique todos os textos pertencentes ao gênero da fantasia, tais como aqueles de Tolkien, embora realmente eles pertencem ou estão mais próximos do domínio do maravilhoso. Este erro pode ser devido a um erro de tradução ou a uma ausência de um termo adequado na língua considerada.

"O fantastique também está relacionada com o realismo mágico, que, como se sabe, é um gênero da literatura latino-americana, fundado na inserção de elementos sobrenaturais em um ambiente realista. Mas no realismo mágico, eventos sobrenaturais são considerados normais e usuais, o que torna um ramo mais próximo do maravilhoso e não tanto para o fantastique."

O extenso artigo, que inclui o histórico de obras, em diversos idiomas, relacionadas ao gênero, ainda nos apresenta alguns aspectos importantes do fantastique, e é perceptível como, de modo geral, esse gênero está muito próximo da literatura gótica.

"MEDO E PÂNICO: a leitura de textos fantastique muitas vezes provoca, embora não necessariamente, sentimentos de medo, terror e angústia. Sigmund Freud explicou esses sentimentos pela perturbação ou pela estranheza perturbadora que ele dizia ser típica da literatura fantástica.

"O termo alemão exato usado por Freud para transmitir esse conceito foi unheimlich, que significa 'não-familiar' e também 'não-oculto'. Sendo assim, o fantastique revelaria assuntos geralmente escondidos ou rejeitados, questões sobre as quais não queremos mesmo pensar e/ou em que nos afastamos, desconforto e inconveniência e sustos nascido de algum tipo de ruptura com a habitual tranquilidade e racionalidade da vida cotidiana, como, por exemplo, os sangramentos, os cadáveres, as noites, as ruínas, os sofrimentos, a escuridão desconhecida...

"O MAL QUE NOS RODEIA:  as manifestações do sobrenatural na literatura fantastique são geralmente desastrosas: não há lugar para anjos, festivais ou gênios benéficos que preencham tudo. O fantastique encarna o mal e tudo ao seu redor. É também uma literatura de sofrimento e angústia, de loucura e fracasso. E, nesse sentido, a literatura fantastique marca um retorno à realidade e uma ruptura profunda com o otimismo excessivamente alegre do século das luzes. No século XX, esses aspectos foram parcialmente assumidos pelos surrealistas.

"A SEXUALIDADE: a psicanálise interpreta e sente o gênero fantastique como a expressão de desejos sexuais indizíveis. 'Na verdade, é relativamente fácil de se associar com cada um dos temas do fantastique com uma forma particular da sexualidade anormal: assim, feitiçaria corresponde à ninfomania, e vampirismo com sadomasoquismo, etc.' Em qualquer caso, esse aspecto diz respeito mais ao sobrenatural do que ao fantastique. Além disso, deve-se levar em conta que os símbolos e temas do fantastique podem ter diferentes interpretações de acordo com os contextos em questão e de acordo com as culturas. Assim, por exemplo, o símbolo de 'duplo' pode significar o isolamento do indivíduo, que tem pouco ou nenhum contato com o mundo exterior.

"Por outro lado, em numerosos relatos fantastique, a sexualidade intervém explicitamente e não simbolicamente ou alegoricamente. Um desejo de amor muito violento é muitas vezes a causa que leva o herói a cair num universo fantastique."

0 comentários:

Postar um comentário