Gêneros Literários #25: Biopunk

O cyberpunk criou inúmeros derivados, e alguns deles já estiveram por aqui, tanto no campo mais da fantasia quanto no da ficção científica: bugpunkdungeonpunkteslapunkclockpunkelfpunkstonepunk e silkpunk. A lista, contudo, ainda está longe do fim, e hoje iremos conhecer mais um, um híbrido que busca na biologia e na engenharia genética sua principal fonte de inspiração.

Bio Armor by Nivanh Chanthara
Iniciando pela Wikipédia (vocês perdem muita coisa com o preconceito em cima desta plataforma, pois tem muita coisa legal por lá), "biopunk (uma palavra-valise combinando biotecnologia e punk) é um termo utilizado para descrever um gênero da ficção científica que se concentra em biologia sintética", que é uma expressão "utilizada para descrever uma abordagem da biologia que tenta integrar diferentes áreas similares de pesquisa. Mais recentemente, o termo tem sido utilizado de uma forma diferente, assinalando uma nova área de pesquisa que combina biologia e engenharia para projetar e construir novas funções e sistemas biológicos. Aquele primeiro objetivo está cada vez mais sendo associado com a área de biologia sistêmica".

Como gênero literário, "um subgênero da ficção cyberpunk, o qual descreve o lado underground da revolução biotecnológica iniciada na última década do século XX. As histórias biopunk exploram temas de indivíduos ou grupos, que frequentemente pertencem a uma subcultura, e sua apropriação de várias biotecnologias para fins subversivos, contra um pano de fundo de governos totalitários ou megacorporações que abusam destas mesmas tecnologias como forma de controle social ou lucro. Diversamente do cyberpunk, a base não é a tecnologia da informação, mas a biologia sintética. Como na ficção pós-cyberpunk, os indivíduos geralmente alteram seus corpos e ampliam suas capacidades não através de cyberware, mas por engenharia genética em seus próprios cromossomos".

E há ainda "um movimento tecno-progressivo que advoga o acesso livre à informação genética" que faz uso do termo, o que mostra como o mundo avança rápido e ficção e realidade se cruzam e se confundem, tornando a ficção científica rapidamente datada em diversos pontos.

"Um número crescente de cientistas, artistas e críticos da sociedade estão se organizando para criar uma consciência pública do quanto a informação genética humana, produzida pela bioinformática, está sendo usada e desvirtuada. Com base num presumível paralelo entre a genética e código computacional, a jornalista científica Annalee Newitz tem demandado o livre acesso aos bancos de dados genômicos. A Biological Innovation for Open Society (BiOS) é uma iniciativa notável do movimento biopunk."

A Wikipédia dá apenas um exemplo de obra biopunk, o filme Gattaca, mas, indo na TV Tropes (outro site maravilhoso, embora sem tradução para o Brasil até o momento), encontramos muitos exemplos: vão desde a franquia Jurassic World a alguns filmes de David Cronenberg (com destaque para The Fly, Scanners e eXistenZ), com obras literárias clássicas (Frankenstein e A Ilha do Doutor Moreau) citadas como um modelo proto-biopunk. Nos videogames, o destaque fica para a franquias BioShock e Resident Evil.

0 comentários:

Postar um comentário